Família Kumm

Aos poucos fotografamos o mundo

›› Expedições ›› Vamos Kumm Tudo

Partida: 27/02/2016

Let Kumm Everything will be a photographic expedition, which will seek the street games, children, the countries through which we pass. The expedition has not pre script defined and will be fully funded by our photography work. We sell our photos in public places where we go. The money of the pictures will be to fund our dispesas, mainly diesel. If you are interested in helping please contact us by email or by familiakumm@yahoo.com.br whatapp +554899820241.

Vamos Kumm Tudo será uma expedição fotografica, que buscaremos as brincadeiras de rua, das crianças, dos países por onde vamos passar. A expedição não tem roteiro pré definido e será totalmente financiada pelo nosso trabalho de fotografia. Venderemos nossas fotos nas praças públicas por onde passarmos. O dinheiro das fotos sera para custear nossas dispesas, principalmente o diesel. Se você tem interesse em ajudar entre em contato pelo e-mail familiakumm@yahoo.com.br ou pelo whatapp +554899820241.

Caminho longo até o Acre

Data: 29/03/2016 08:00:00

Tínhamos saído e deixado os problemas para resolver e à medida que ficávamos mais distante, mas eles apareciam e mais difícil de resolver. Contadora, impostos, depósitos etc. Esta parte era muito chata. Foi numa parada desta que conhecemos o José. Ele veio conversar com a gente e conhecer nosso carro. Acabou virando amigo e participando do nosso whats.

A distância é longa, o Brasil é muito grande. Rodamos muito e chegou a noite paramos num posto de gasolina. Não estava contente com o lugar, fiquei bem incomodada. Tinha algo ali que não me deixava ficar legal. Mas ficamos com medo de avançar. Não pegamos estrada a noite. Então procuramos dentro do posto de gasolina um lugar especial para ficar. Paramos aqui e acola. Estava difícil de escolher um lugar. Pensamos perto da borracharia e ali montamos nossa casa.

Bateu a preguiça de fazer janta então foi pão, tomate, queijo e vinho. Estávamos comendo quando apareceu um senhor para conversar e ele contou que era dono do restaurante que ficava uns 200 mts do nosso acampamento. Ele contou que naquela manhã quando chegava no restaurante para preparar o café da manhã, encontrou um rapaz deitado na varanda agonizando. E que morreu no caminho do hospital. Aquilo me gelou, o senhor foi lá no restaurante pegou um queijo e um salame para nós. Queria desmontar tudo e sair dali, mas não tínhamos mais condição de fazer.

Acordamos vivos oba!!! Vamos continuar a viagem. Rolou um stress por 3km entre nós. E eu optei por aliviar a tensão ir fazer uma caminhada. Valeu muito esta caminhada, me deixou mais calma e pude refletir sobre o que aconteceu. O calor estava forte e com isso os ânimos também alteravam. Foi um dia difícil e as 17h resolvemos parar. No lugar que paramos tinha um posto e no fundo do posto tinha um hotelzinho. Fomos lá perguntar quanto eles cobravam por um banho. A senhora que nos atendeu disse que não tinha este serviço, mas que a diária com café da manhã para o casal era de R$ 50,00 reais. Achamos muito barato, pois tinha ar condicionado e Split. Isso era o preço de camping. Na hora topamos esta empreitada. Estávamos precisando de um bom banho e de um quarto fresco, para repor as energias sem preocupação.

O dia foi de estrada, com muitos buracos na pista. Levamos praticamente o dia todo para chegar em Porto Velho. Lá procuramos uma padaria e um lugar para dormir. Enquanto fui na padaria o Walfredo ficou no carro e parou um cara com uma Land que havia conversado com a gente, em São Lourenço, Minas Gerais, no encontro de Land Rover. Papo vai e vem, mas não descolou um lugar para ficarmos e o jeito foi cair na estrada no final de tarde.

Andamos uns 30km e vimos uma placa de balneário. Entramos na estrada pavimentada e fomos até lá. Walfredo saltou e foi conversar com o homem. Ele olhou para o Walfredo e disse: ‘ Olha eu não costumo deixar dormir aqui , mas como você é velho eu évou deixar e não vou te cobrar nada por isso. O lugar é muito legal, tem até barulho de rio passando. Eu estava contente com o lugar, parecia bem protegido. Pela organização das casas parecia uma tribo indígena. O calor aumentava e antes de dormir fomos tomar um banho no chuveiro da rua que era gelado.

 

›› Diário da Expedição


Voltar
  • Facebook
  • Facebook
  • Twitter
  • Twitter
  • Twitter

 

 




familiakumm@yahoo.com.br +55 (48) 99655-2507
SITE com ARTE
Restrito